quinta-feira, 10 de julho de 2008

Pretty Handsome

Este período do ano é a época dos "vazamentos" das emissoras de tv norte americanas. É quando os pilotos das principais novas séries da temporada (que começa em Outubro) começam a vazar na internet. Claro que não passa de uma jogada de marketing: como o download de séries é algo bastante popular, as emissoras liberam o primeiro episódio de suas principais apostas na esperança de que isso atraia uma maior audiência para seus novos produtos, em um mercado cada vez mais competitivo.


O caso mais curioso desta temporada é o de "Pretty Handsome", a nova série de Ryan Murphy. O piloto foi produzido pela Fox para exibição no canal fechado FX, que desistiu de exibi-la. O episódio, então, acabou sendo disponibilizado na internet com o objetivo de gerar interesse no público e, com isso, a série ganhar uma nova casa para ser exibida. A desistência do FX e a dificuldade de se encontrar uma emissora para a exibição da série, deve-se ao seu tema polêmico: a transexualidade.



Joseph Fiennes e a calcinha. Um pouco grande demais?



“Pretty Handsome” traz como protagonistas dois atores conhecidos no cinema: Joseph Fiennes (Shakespeare Apaixonado) e Carrie-Anne Moss (a Trinity de Matrix). Fiennes interpreta um ginecologista bem sucedido, com esposa (Moss) e dois filhos, e esconde um segredo: desde criança tem um prazer especial em se vestir de mulher, a ponto de ser obcecado em comprar e usar calcinhas sem que a esposa saiba. Esta situação começa a se tornar insustentável, quando a falta de sexo começa a incomodar a esposa, ao mesmo tempo que recebe como paciente uma mulher com características masculinas e que quer remover seu aparelho reprodutor feminino e, assim, ter uma vida completa com sua esposa, um transexual.


Se esta sinopse já traz drama suficiente para enriquecer e polemizar o piloto de uma série, o episódio ainda nos apresenta outras tramas: o filho mais velho, de 18 anos, que esconde de todos a gravidez de sua namorada, já com 8 meses; o filho caçula, de 10 anos, super dotado, precoce também na sua sexualidade (com os hormônios a toda, o garoto procura mulheres mais velhas, acessa sites pornográficos e não mede esforços para ter um encontro marcado virtualmente). Além do melhor amigo do filho mais velho, que nutre por ele um amor que pode ser mais do que apenas amizade. Ou não, já que ele também não esconde o interesse sexual que tem pela mãe do amigo...


Completando a família, temos os pais do protagonista: uma mãe dondoca que se preocupa apenas com aparências, e o pai com quem compartilha a clínica e o trabalho, mas não os mesmos preceitos morais, sendo totalmente contra a cirurgia de mudança de sexo, mas tem um caso extraconjugal.




O piloto da série consegue equilibrar muito bem todos esses elementos em um episódio mais longo que o habitual (pouco mais de uma hora). O roteiro traz um bom número de seqüências interessantes, que enriquecem a discussão, como uma apropriada festa de Halloween (onde o protagonista pode exercer seu desejo de ser mulher e ser aceito por todos), diálogos carregados de ambigüidade e um final belíssimo envolvendo cavalos marinhos. Do lado negativo, não gostei de um recurso utilizado em que a filmagem é substituída por uma imagem digital, provavelmente com a intenção de tornar o drama mais realístico ou realçar o psicológico dos personagens. Não acho que há necessidade, a narrativa acaba ganhando uma montagem epiléptica e também parece não haver critérios para o uso deste recurso, ora com o objetivo de nos mostrar um flashback, ora para encenar uma situação imaginada pelo personagem (situação bastante clichê nas séries, tendo sido realmente eficiente, pelo que me lembro, apenas em "A Sete Palmos"), ora para enfatizar uma cena mais dramática. Acredito que se a série tiver futuro, isso seja um maneirismo a se deixar de lado.


O piloto cumpre muito bem o papel de gerar expectativa em quem assiste. É de se imaginar o que pode acontecer a partir daí, uma vez que não fica claro até que ponto o protagonista está insatisfeito com seu corpo. É apenas um caso de crossdresser, travestismo ou ele gostaria mesmo de “mudar” de corpo (caracterizando a transexualidade)? Seja como for, o tratamento dado não é sensacionalista, algo que já era de se esperar vindo de Ryan Murphy.



Troca de papéis sexuais. Mas só no Halloween.


Murphy é o responsável por “Nip/Tuck”, uma das séries mais cultuadas dos últimos anos, que aborda o mundo das cirurgias plásticas, destilando ironia e sarcasmo sobre a obsessão do homem por corpos bonitos e perfeitos, aliados a uma boa dose de dramas humanos. A série também chama a atenção pelo conteúdo sexual mais ousado para os padrões televisivos, além de inúmeras seqüências de cirurgia bastante explícitas, um trabalho impecável e impressionante de maquiagem. Para mim, “Nip/Tuck” atingiu seu ápice na segunda temporada (quando venceu o Globo de Ouro de Melhor Série Dramática) e o resto é "ladeira abaixo", chegando ao cúmulo da mediocridade na quarta temporada, quando desisti de vê-la.



Família reunida. E um Cavalo Marinho.


Ver "Pretty Handsome" deu a sensação de estar acompanhando a história de personagens saídos de "Nip/Tuck", até porque esta série já trouxe, mais de uma vez, histórias envolvendo travestis e transexuais. Este novo projeto, no entanto, parece querer ir um passo além, não só por colocar este como o tema principal, mas a própria idéia de um homem bonito, galã de cinema como Joseph Fiennes certamente é, tendo este desejo "marginal", normalmente tido no cinema e na tv por pessoas não tão bonitas assim. Nesse sentido, a série pode ser considerada inovadora e é uma pena que talvez não saia deste piloto, o que já comprova algo mostrado mais de uma vez no episódio: o preconceito, o medo e a intolerância com o tema.


Como disse um jornalista americano: sexo vende; trans-sexo, não.


3 comentários:

Vinícius P. disse...

Sinceramente espero que passe do piloto, tem tudo para ser uma das grandes séries da temporada - mas como você mesmo comentou, já foi vítima de preconceito antes mesmo de ser exibida. Esse piloto é sensacional!

Daniell disse...

OPA! já me convenceu nas primeiras linhas do texto! Adoro esses temas de sexualidades alternativas, fora dessa coisinha chata e batida, download now!!!! Tanx!

Anônimo disse...

Tudo que tem Joseph Fiennes é maravilhoso!!!! Sou absolutamente apaixonada por ele, com ou sem calcinha!!!