quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Slumpop no Brasil

Às vésperas da estréia nacional de "Slumdog Millionaire", alguns de nossos melhores críticos já começaram a fazer análises pertinentes sobre a (má) qualidade do mais novo fenômeno que a mídia global tem nos vendido. Como já dei minha opinião aqui, acho importante ressaltar essas boas vozes da nossa crítica, que parecem tão distantes dessa onda americana que caiu de quatro pelo filme de Danny Boyle.


Kléber Mendonça Filho, do Jornal do Comércio, escreveu um ácido e engraçado texto que pode ser lido na íntegra no blog do Cinemascópio, aqui. Recomendo a leitura por bater numa tecla importante sobre os perigos deste tipo de meciodridade.


O grande André Setaro, de Salvador, também alfineta o filme com um breve comentário em seu blog pessoal.


Por último, um dos principais críticos do Brasil, Inácio Araújo, detona o filme com muita propriedade numa crítica publicada na Ilustrada da Folha de São Paulo do dia 20 de Fevereiro. Como o acesso ao material do jornal é restrito, colo aqui o texto completo. O grifo é meu, por achar que se trata de um dos problemas essenciais do filme:




Crítica/"Quem Quer Ser um Milionário?"

Boyle força a mão e transforma a Índia em esgoto a céu aberto

Indicado a dez Oscars, incluindo filme e diretor, longa vai mal desde a premissa inicial

INÁCIO ARAUJO
CRÍTICO DA FOLHA

Depois de ver "O Leitor" era justo imaginar que nada pior poderia acontecer. Engano. Depois havia ainda "Quem Quer Ser um Milionário?", como a mostrar que o Oscar 2009 busca ser a pior edição de todos os tempos.


Soube-se que Danny Boyle, promessa do cinema há pouco mais de dez anos, quando se esforçava para parecer um Gus van Sant inglês, ficou ofendido ao ver seu filme comparado com "Cidade de Deus". Mas o que há de melhor no novo Boyle é uma distante lembrança do filme de Fernando Meirelles.


Com efeito, logo no início há a favela, a criançada, as perseguições, a fotografia metálica, a câmera nervosa. Estamos na Índia, ex-colônia britânica. Seria possível dizer que mais valia cineastas ingleses tratarem das mazelas inglesas, que não são poucas, como a permissão para a polícia meter bala em brasileiros impunemente.


O fato é que em "Quem Quer Ser" não estamos em Londres, mas em Mumbai. Estamos às voltas com Jamal, o garoto do chá de um serviço de televendas, que se inscreve num programa de perguntas e respostas famoso por derrubar os mais cultos da Índia. Para surpresa geral, ele começa a ganhar prêmios.


Então a polícia intervém: Jamal é preso e torturado para confessar que fraude pratica. Depois de muita tortura, saberemos, nós e o policial que torturava (subitamente convertido em ouvinte atento do rapaz), que cada resposta foi aprendida ao longo da vida.



Fossa sanitária
Esse é o começo, e a coisa já é horrível. Para que Jamal ganhe mil rúpias ou algo assim seremos submetidos a uma das cenas mais desagradáveis da história do cinema: o menino que ficou trancado numa fossa sanitária percebe que a única possibilidade de ver seu ídolo, um cantor ou algo assim que acaba de chegar, é pular nas fezes acumuladas embaixo dele. Ele não pensa duas vezes: pouco depois chega triunfal perto do cantor, coberto de fezes até a cabeça, pedindo um autógrafo.


Daí sabemos que é bom ficar preparado: a cada resposta corresponderá um episódio do tipo -e a coisa vai a 20 milhões de rúpias ou, pior, duas longas horas de filme. Nesse intervalo veremos a mãe de Jamal pegar fogo; Jamal, o irmão e a amiguinha serem recolhidos por um gângster, que faz crianças pedirem esmola; um desses meninos ter os olhos arrancados para comover os passantes. Vista por Boyle, a Índia é um esgoto a céu aberto, moralmente inclusive. Nesse lodo viceja a alma pura de Jamal, uma mistura do estoicismo do dr. Kimble de "O Fugitivo" com a ingenuidade de Forrest Gump. Com ele entramos no terreno do prodígio. Jamal é puro, bom e forte o bastante para sobreviver. O que o torna assim? Algo de sua natureza, ou da ordem do destino. Ou seja, embora use a mão pesada para os problemas indianos, a explicação do caráter de seu herói é metafísica. Jamal passa incólume por tudo, como esse mundo infame em que vive não o afetasse.


Para fechar esse abacaxi, ocorreu a alguém transformar tudo em musical (é como o filme termina -e não há problema em saber, não tem nada a ver com a história): é como se a inconsequência final livrasse o filme da infâmia. Não livra.


QUEM QUER SER UM MILIONÁRIO?

Produção: Inglaterra, 2008
Direção: Danny Boyle
Com: Dev Patel, Anil Kapoor
Onde: pré-estreias neste final de semana em 28 salas de São Paulo
Classificação: não indicado a menores de 16 anos
Avaliação: péssimo





terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Últimas do Oscar 2009

Carnaval longe da internet, mas não do Oscar. Curioso chegar em casa, acessar os sites de sempre e ver que a última cerimônia da Academia teve boa audiência e repercussão, quando eu achava que todo mundo ia pensar como eu: uma péssima festa, certamente para combinar com a péssima escolha para filme do ano.



As inovações da produção de Bill Condon não me convenceram. O número musical da abertura nem de longe se compara com os "it´s a wonderfurl night for Oscars... oscars, oscars! Who Will win?" do Billy Crystal, e só serviram para mostrar as boas vozes de Hugh Jackman e Anne Hathaway. Jackman, aliás, se mostrou um "musical freak" ao ingenuamente cantar a volta dos musicais, só porque aquela coisa pavorosa chamada "Mamma Mia!" virou um fenômeno, único musical em evidência do ano passado. Para completar as sandices musicais, as três canções indicadas foram cuspidas de uma vez só, com a simpática música de "Wall-E" sendo sufocada por tambores indianos, numa péssima versão que deve ter feito Peter Gabriel ter o estomâgo revirado.



E o humor, que normalmente salva a festa do marasmo, foi muito pouco. Salvou-se Jack Black dizendo que faturava alto fazendo animações para a Dreamworks e na época do Oscar apostando toda a grana na Pixar, e claro, James Franco e Seth Rogen repetindo seus papéis em "Pineapple Express" num vídeo apresentando as comédias de 2008. Franco, que deveria ter sido indicado a Melhor Ator pelo papel caso a Academia tivesse senso de humor, ainda foi visto umas duas ou três vezes beijando Sean Penn em "Milk" e me pergunto se não foram os primeiros beijos gays da história da Academia. Mas nada melhor do que ter visto os maconheiros de Rogen e Franco rindo horrores de "O Leitor" e "Dúvida", os dois dramas mais metidos a sérios do ano.


No mais, Steve Martin e Tina Fey sendo engraçadinhos (ambos são muito melhores que aquilo, mas mandando bem na Cientologia) e Ben Stiller fazendo uma piada óbvia com Joaquin Phoenix que rendeu ao menos um ótimo comentário: que "Slumdog Millionaire" teria sido filmado com uma câmera de celular. Tirando isso, não sobraram muitas risadas.



As inovações nas apresentações dos prêmios me pareceram boas intenções (valorizar mais algumas categorias, tornar a coisa toda mais dinâmica), mas devem funcionar melhor no papel. Quer dizer, gostei como apresentaram os roteiros e os filmes, por exemplo (eliminando os clips durante a noite e fazendo estranhas montagens com vencedores anteriores - o homófobo Mel Gibson e Milk? Nice.), mas aquelas apresentações dos atores indicados foi triste. Vencedores da categoria dando uma de Pedro Bial, anunciando os indicados ao paredão com elogios-clichê, renderam poucos bons momentos e só fizeram a noite ser mais longa. Eu prefiro os clips dos indicados.



Em relação aos prêmios, única surpresa foi Filme Estrangeiro, mas como eu disse nos meus palpites aí embaixo, o filme tinha seus admiradores e como só votam na categoria aqueles que viram todos os indicados, qualquer coisa pode sair disso.



Falando em meus palpites, errei pouca coisa, mas mudei alguns quando fui participar de alguns bolões. Me dei MUITO mal no Bolão Oscar 2009, porque apesar de ter acertado quase tudo, não soube jogar e distribuí porcentagens pra meio mundo de indicados. Por outro lado, fui prata no Oráculo do Oscar, do blog da jornalista Ana Maria Bahiana, perdendo o primeiríssimo lugar por um palpite apenas, ao ter feito confusão nas categorias de Som e ao deixar minha torcida por Mickey Rourke atrapalhar a razão. No Oráculo fui melhor porque lá valiam as categorias de curtas (doc, ficção, animação) e acertei todas.



No mais, espero que as coisas sejam melhores ano que vem. 2009 promete.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Palpites Oscar 2009 - Filme e Diretor

Já cansado de escrever sobre o Oscar, vou me abster de muitos comentários nessas categorias, simplesmente porque não há o que comentar. Então, só pra manter o padrão dos posts anteriores, listo os indicados na ordem de preferência e o palpite, incluindo um "pode dar" um tanto inútil.



Melhor Filme

1. Milk
2. O Curioso Caso de Benjamin Button
3. Frost/Nixon
4. O Leitor
5. Slumdog Millionaire


Vai ganhar: Slumdog Millionaire
Pode dar: O Curioso Caso de Benjamin Button
Faltaram: A Troca, Gran Torino, Happy Go Lucky, The Wrestler, Vicly Cristina Barcelona




Melhor Diretor

1. Gus Van Sant, por Milk
2. David Fincher, por O Curioso Caso de Benjamin Button
3. Danny Boyle, por Slumdog Millionaire
4. Ron Howard, por Frost/Nixon
5. Stephen Daldry, por O Leitor


Vai ganhar: Danny Boyle (Slumdog Millionaire)
Pode dar: David Fincher (O Curioso Caso de Benjamin Button)
Faltaram: Clint Eastwood (A Troca), Clint Eastwood (Gran Torino), Woody Allen (Vicky Cristina Barcelona), Ben Stiller (Trovão Tropical), David Gordon Green (Pineapple Express)




Essa promete ser uma das piores premiações da história, com o máximo de prêmios possível indo para "Slumdog Millionaire", um filme medíocre que inexplicavelmente se tornou um fenômeno em pouco mais de um mês, ao faturar praticamente todos os prêmios dados pelos sindicatos. Filmes medíocres já foram agraciados com muitos Oscar´s antes, mas talvez seja a primeira vez em que uma obra tão ruim se torna o único filme do ano merecedor de toda e qualquer honraria.


Este sem dúvida será um ano da Academia que entrará para a infâmia, e só com o tempo perceberão isso, assim como já ocorreu quando vencedores foram "pérolas" como "O Maior Espetáculo da Terra" ou "Gente como a Gente".


Como se não bastasse, a obviedade de uma premiação é sempre coisa chata. O que salvaria essa cerimônia do tédio? O maior número de surpresas possíveis. Quem sabe "Milk" ganhando Figurino, "A Troca" ficando com Direção de Arte, Marisa Tomei surpreendendo pela segunda vez, Robert Downey Jr. totalmente drogado subindo ao palco atônito por ter vencido Heath Ledger, Slumdog perdendo filme ou direção... e que tal Christian Bale para apresentar o Oscar de Melhor Fotografia?



Palpites Oscar 2009 - Atuações

Se todo o resto é óbvio, ao menos nas categorias de atuações teremos algum suspense. Mesmo em Ator Coadjuvante, há a expectativa de quem irá subir ao palco para agradecer o prêmio por Heath Ledger. Nas outras três categorias, sinceramente não faço uma aposta com firmeza.


Indicados em ordem do que mais gosto para o que menos gosto.



Melhor Ator

1. Mickey Rourke, por O Lutador
2. Sean Penn, por Milk
3. Frank Langhella, por Frost/Nixon
4. Brad Pitt, por O Curioso Caso de Benjamin Button
5. Richard Jenkins, por The Visitor


Quando comecei a postar meus palpites, minha aposta aqui era em Sean Penn, que faz um Harvey Milk realmente cativante, papel tão diferente do que o ator costuma fazer. Junta-se a isso o fato de que o filme é muito adorado (8 indicações, inclusive Melhor Filme), Penn levou o SAG e seu principal concorrente não é figura das mais adoradas no meio - algo que, aliás, havia ocorrido em 2004, quando ganhou de Bill Murray. O fato de já ter vencido há tão pouco tempo deve ser impeditivo para muitos atores (Russel Crowe, por ex.), mas não acredito que seja o caso para Penn, um dos poucos que ninguém duvida merecer essa honraria.


Mas acho que Rourke deu a volta por cima quando ganhou o Bafta. A premiação britânica é dada por muitas pessoas que também votam no Oscar, além de que, repetindo sua vitória no Globo de Ouro, deu mais um discurso emocionante. É uma "persona non grata" que tem ganhado a simpatia, é um retorno extremamente sentimental e sincero, além, claro, que se trata de uma atuação fenomenal.


Langhella é o único dos outros três que tem atuação tão espetacular quanto os favoritos, e em outro ano (e com mais tempo de tela) poderia vencer esse prêmio fácil. É um trabalho de mestre, muito técnico (e por isso que acabo preferindo a energia de Penn e a sinceridade de Rourke) cujo ápice é mesmo o final da entrevista em que o ator interpreta com sobrancelhas, olhares e postura do corpo e voz que dão toda a força dramática que o filme, infelizmente, não tem.


Ao contrário de muitos, gosto de Pitt em Button, não sendo emocional demais, fazendo um velho com postura e curiosidade infantis, fazendo um jovem cansado da vida. Quanto a Jenkins, não vejo problemas na atuação. O problema é que o filme é ruim demais. Se fosse pra indicá-lo, ficaria com ele como coadjuvante de "Queime Depois de Ler".


Enfim, páreo duro entre Penn e Rourke, aposto no segundo "por um nariz".



Vai ganhar: Mickey Rourke (O Lutador)
Pode dar: Sean Penn (Milk)
Faltaram: James Franco (Pineapple Express - quando a Academia terá senso de humor?) e Jean Claude Van Damme (JCVD - talvez não seja um top 5, mas não dá pra resistir... Van Damme no Oscar!)



Melhor Atriz

1. Anne Hathaway, por O Casamento de Rachel
2. Angelina Jolie, por A Troca
3. Kate Winslet, por O Leitor
4. Meryl Streep, por Dúvida
5. Melissa Leo, por Rio Congelado


Não vou perder tempo com Leo, que como Jenkins, atua muito bem dentro do que seus ridículos filmes pedem. A se lamentar que Hathaway tenha perdido a força que tinha durante os prêmios da crítica (depois, perdeu Globo de Ouro, SAG e BAFTA). Tanto ela como Jolie dão as interpretações mais enérgicas e emocionais da lista.


Mas a disputa mesmo é entre Winslet e Streep, duas performances que uns amigos tem classificado como "Acting!", ou seja, o tipo de atuação milimetricamente calculada, baseada exclusivamente em técnica e que, por isso mesmo, acaba faturando prêmios. Concordo que são atrizes deste tipo (nada contra, mas também isso não as faz "as grandes atrizes vivas"), mas não acho que estão em seus melhores momentos nesses filmes.


Até o SAG, parecia claro que Winslet seria a vencedora. Não é pra menos: muito elogiada por outro filme no mesmo ano, sexta indicação e nenhuma vitória, indicada por um concorrente a Melhor Filme, atuação vencedora do Globo de Ouro e do SAG. Como achar que Kate Winslet pode perder?


Aí o SAG resolve premiar Meryl Streep. E, como se sabe, não basta ter a melhor atuação para ganhar o Oscar. É preciso ser admirado ou gostado. E se ganhar prêmios antes e fizer agradecimentos legais, melhor ainda. E Streep foi aplaudida de pé. E o discurso de agradecimento foi adorável, engraçado, humilde. E todos pareciam muito felizes com isso. E o que antes era "ah, ela já ganhou antes" passou a ser "faz tempo que ela não ganha, né?" (26 anos atrás). E bateu seu próprio recorde de maior número de indicações para ator ou atriz (15, no total). E com quase 60 anos, protagoniza filmes de sucesso (o execrável "Mamma Mia!"). E Winslet ganhou prêmios de coadjuvante por "O Leitor", o que pode gerar dúvida (sem trocadilho) em alguns. Isso sem contar que seu papel é de uma pessoa detestável. Como achar que Meryl Streep pode perder?


Seria impossível um empate técnico? Nas categorias de atuação isso só ocorreu uma vez: há exatos 40 anos, justamente na categoria Melhor Atriz, quando a veterana Katherine Hepburn ganhava seu terceiro Oscar, empatada com a jovem Barbra Streisand, que ganhava seu primeiro. E a veterana Streep ganharia seu terceiro Oscar, enquanto a jovem Winslet levaria seu primeiro...


Premonições bobas à parte, o fato é que o Bafta acabou dando o prêmio para Winslet por esse filme, mesmo concorrendo com ela mesma por "Revolutionary Road". Então, eu aposto nela. Mas novamente "por um nariz".



Vai ganhar: Kate Winslet (O Leitor)
Pode dar: Meryl Streep (Dúvida)
Faltaram: Sally Hawkins (Happy Go Lucky), Martina Guzman (Leonera), Kristin Scott Thomas (I´ve Loved You So Long)





Melhor Ator Coadjuvante

1. Heath Ledger, por O Cavaleiro das Trevas
2. Phillip Seymour Hoffman, por Dúvida
3. Robert Downey Jr., por Trovão Tropical
4. Michael Shannon, por Revolutionary Road
5. Josh Brolin, por Milk


Nada de chute aqui, obviamente. Não consegui me interessar pelo personagem de Brolin, e há outros bem mais interessantes em "Milk". Mas se a maior supresa da história, de todos os tempos de todas as épocas ocorrer, só ele venceria aqui. Shannon é só uma ameaça de um grande personagem, e faz o que pode no pouco tempo que tem. Downey Jr. é, sem dúvida, um dos nomes do ano, mas votaria em outras atuações cômicas no lugar dele, e Hoffman sabe muitíssimo bem recitar seu belo texto no filme, mas ele não seria um protagonista?


Em suma, uma categoria fraca de indicados. Ledger não merece apenas porque morreu, é a última chance, ele já deveria ter vencido por Brokeback Mountain, etc. É realmente o trabalho do ano (tá, aquelas mastigadinhas de dente ou seja lá o que for, estavam em excesso, mas who cares?).



Vai ganhar: Heath Ledger (O Cavaleiro das Trevas)
Pode dar: Josh Brolin (Milk)
Faltaram: Eddie Marsan (Happy Go Lucky), Russel Brand (Ressaca de Amor), qualquer um dos atores de Queime Depois de Ler




Melhor Atriz Coadjuvante

1. Penelope Cruz, por Vicky Cristina Barcelona
2. Marisa Tomei, por O Lutador
3. Viola Davis, por Dúvida
4. Taraji P. Henson, por O Curioso Caso de Benjamin Button
5. Amy Adams, por Dúvida


A categoria conhecida por suas frequentes surpresas vem este ano com nenhum favoritismo claro. Penelope Cruz tinha a preferência absoluta no início das premiações, mas sabemos que no que diz respeito aqui, isso não significa muita coisa. Perguntem a Amy Ryan.


O grande problema é que a vencedora do Globo de Ouro e do SAG, Kate Winslet, "migrou" para a categoria principal. E deixou a disputa em aberto. Por mais que Cruz tem a vantagem histórica de uma atriz dirigida por Woody Allen ter sempre grandes chances de ganhar, Viola Davis tem sido um nome forte nas apostas finais. O fato de Meryl Streep ter pedido, no SAG, que alguém dê um papel principal a Davis (e foi amplamente aplaudida) certamente chamou atenção para essa moça desconhecida, coadjuvante de filmes de Sodebergh. Com pouco tempo de cena, ela fez algo muito mais memorável que Judi Dench em "Shakespeare Apaixonado", por exemplo, que 10 anos atrás ganhou nessa categoria com menos de oito minutos de atuação.


Acho que a disputa fica entre as duas, principalmente porque não vejo a Academia sentindo a necessidade de honrar Benjamin Button aqui, premiando Henson (como aconteceu ano passado com Michael Clayton e Tilda Swinton) ou considerando Adams antes de Davis. Além do mais, a tentação de premiar "Dúvida" com um Oscar de atuação é inevitável (e só por curiosidade, caso Davis vença aqui e Streep também, seria a primeira vez em 45 anos que um filme não indicado a Melhor Filme venceria duas categorias de atuação - a última vez foi com "O Indomável" em 64, e um dos prêmios não foi para Paul Newman!).


Marisa Tomei seria uma possibilidade forte, caso já não tivesse seu Oscar-surpresa, que até hoje muita gente não engole. Ao menos, ela já provou depois disso que é uma grande (e gostosa) atriz. Não ficaria chateado de vê-la vencendo.


Mas quem não quer ver Javier Bardem entregando o Oscar a Penelope Cruz? E quem acha que ela deveria ter vencido por "Volver" se uma certa rainha não existisse? E quem acha ela linda, maravilhosa e excelente atriz quando atua na sua língua materna?



Vai ganhar: Penelope Cruz (Vicky Cristina Barcelona)
Pode dar: Viola Davis (Dúvida)
Faltou: Frances McDormand (Queime Depois de Ler)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Palpites Oscar 2009 - Roteiro Original e Adaptado

Indicados listados na ordem de minha preferência (do melhor para o pior):



Melhor Roteiro Original

1. Simplesmente Feliz
2. Milk
3. Wall-E
4. In Bruges
5. Rio Congelado


"In Bruges" e "Rio Congelado" são os típicos azarões cuja indicação já é reconhecimento suficiente. Não gosto do último e a comédia-policial-dramática britânica é muito espertinha pro meu gosto. Claro que tal esperteza recheada de diálogos engraçadinhos é o tipo de coisa que pode render Oscar nesta categoria. Mas os outros três são candidatos mais fortes.


Mike Leigh é o veterano da categoria, com sua quarta indicação por "Simplesmente Feliz", o incrível trabalho que mexe com o espectador, que não sabe como reagir diante do estado de espírito da protagonista. Seria uma escolha muito possível, mas infelizmente Leigh não foi indicado como Diretor (como muitos apostavam) e, principalmente, a atriz Sally Hawkins ficou de fora quando parecia barbada. Ou seja, parece não haver suporte suficiente para levar esse.


Restam, então, dois candidatos que não parecem ter o perfil de vencedor de Oscar de roteiro original: "Wall-E" é uma animação e isso por si só já pesa contra o filme (animações nunca venceram aqui); e "Milk" é uma biopic tida como convencional, sem reviravoltas e achados extraordinários de roteiro. Mas sem dúvida são os dois favoritos da Academia, com 6 e 8 indicações respectivamente.


Certamente há o sentimento de que "Wall-E" é mais do que uma animação, havia possibilidades fortes de ter sido indicado a Melhor Filme e muitos membros podem querer fazer história, ainda mais com um filme em que quase metade da duração não tem diálogos. Mas, convenhamos, quando chega na parte "falada", o filme perde um pouco de sua magia.


"Milk", por outro lado, é o único dos indicados que concorre a Melhor Filme e mais importante: com a possibilidade de Sean Penn perder o Oscar para Mickey Rourke, tenho certeza que muitos sentirão que o filme precisa ser compensado em outra categoria. De preferência, de "peso" como esta.



Vai ganhar: Milk
Pode dar: Wall-E
Faltaram: Vicky Cristina Barcelona, Queime Depois de Ler, Trovão Tropical




Melhor Roteiro Adaptado

1. O Curioso Caso de Benjamin Button
2. Frost/Nixon
3. Dúvida
4. O Leitor
5. Slumdog Millionaire


Não foi um bom ano para roteiros adaptados. Prova que os cineastas parecem não conseguir fazer algo original, corajoso ou simplesmente dar uma vida própria diferente do material original - neste sentido, o pior trabalho do ano sem dúvida foi "Ensaio Sobre a Cegueira".


O filme de Fincher é o que tem trama mais bem amarrada e me parece que o cineasta usa o material para o que lhe interessa, sem demonstrar respeito excessivo pelo conto. O mesmo não se pode dizer de "Dúvida", onde claramente se vê a peça por trás do filme. Shanley definitivamente não é um bom cineasta (embora seu texto seja muito bom). "Frost/Nixon" é um bom exemplo do fracasso de Shanley, porque também é adaptado de uma peça e também pelo próprio dramaturgo (Peter Morgan) e, no entanto, não tem aquela estrutura travada. Uma pena que o roteiro não foca mais em Nixon ou tem aquelas interrupções da narrativa, mas acredito que boa parte daquilo é culpa de Ron Howard. Mas é o mais próximo que o filme pode chegar a um prêmio.


De qualquer forma, são melhores que "O Leitor" e Slumdog. O primeiro, pesado como um hipopótamo, gritando seu moralismo por todos os lados. O segundo, por ser desinteressante, preguiçoso e cheio de furos (além de não ter um diálogo bacana). Mas é bem esse que tá levando tudo, né?



Vai ganhar: Slumdog Millionaire
Pode dar: Frost/Nixon
Faltaram: curiosamente, algumas superproduções deste ano foram muito felizes na adaptação: O Cavaleiro das Trevas, Homem de Ferro, Hellboy 2.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Previsões Oscar 2009 - Animação/Doc/Filme Estrangeiro

As três categorias destinadas a reconhecer os melhores filmes que a Academia sabe que, de outra forma, não seriam reconhecidos. Não serão listados na ordem de preferência porque, infelizmente, só vi um indicado de cada categoria. A ordem, então, é a que eu acho ser de favoritismo para ganhar o prêmio.




Melhor Animação

1. Wall-E
2. Kung-Fu Panda
3. Bolt - SuperCão


Essa categoria consegue ser mais óbvia que todas em que "Slumdog Millionaire" concorre. Sem comentários.


Vai ganhar: Wall-E
Pode dar: nada, mas... Kung Fu Panda
Faltou: Valsa para Bashir




Melhor Documentário

1. Man on Wire
2. Trouble the Water
3. Encounters at the End of the World
4. The Betrayal
5. The Garden


"Man on Wire", a história de um incrível roubo ocorrido nos anos 70 envolvendo as Torres Gêmeas, ganhou praticamente todos os prêmios da categoria (inclusive saindo do gueto de docs e faturando o BAFTA de melhor filme britânico), sendo a escolha óbvia de qualquer apostador. Mas "Trouble the Water" tem o tema nobre que normalmente leva o Oscar de Melhor Documentário: traz os sobreviventes do Katrina em New Orleans, algo que se equipara em peso e "relevância" dos outros vencedores da década, cuja única exceção foi "Marcha dos Pingüins", pelo enorme sucesso que foi. Se houver surpresa aqui, esperem que seja essa.


O único que vi foi "Encounters at the End of the World", que finalmente deu a Werner Herzog, um dos principais nomes do cinema alemão, sua primeira indicação. Herzog visita uma comunidade no Pólo Sul e dá continuidade aos seus interesses pela simbiose homem-natureza (inclusive com uma pequena seqüência envolvendo pinguins melhor que todo o doc vencedor do Oscar). É uma obra simpática, que se sobressai em momentos isolados, mas talvez não impressione a Academia.


Dos outros dois, nada posso falar.


Vai ganhar: Man on Wire
Pode dar: Trouble the Water
Faltou: não sei se era elegível, mas o único doc grandioso que vi ano passado foi A Vida Moderna, de Raymond Depardon




Melhor Filme Estrangeiro

1. Entre les Murs (França)
2. Valsa para Bashir (Israel)
3. Departures (Japão)
4. Der Baader Meinhof Komplex (Alemanha)
5. Revanche (Australia)


Como nesta categoria só votam os membros da Academia que comprovarem que viram todos os cinco indicados, é sempre difícil adivinhar quem sairá vencedor, daí que de vez em quando surge uma surpresa de lugar nenhum ganhando de filmes mais famosos ("A Vida dos Outros" ganhando de "O Labirinto do Fauno"; Amelie Poulain perdendo para "Terra de Ninguém"). Claro que os favoritos vieram de Cannes, um deles com a Palma de Ouro, mas tudo pode acontecer.


Acho que o filme francês tem maiores chances porque parece ser convencional e forte ao mesmo tempo, enquanto o israelense é uma animação e o tradicionalismo de alguns acadêmicos pode pesar contra o filme (foi o único que vi, e não achei grande coisa). Sobre os outros, nada posso falar, mas já li que o filme japonês tem grandes admiradores.



Vai ganhar: Entre les Murs (França)
Pode dar: Valsa para Bashir (Israel)
Faltaram: Tulpan (Cazaquistão), Aquele Querido Mês de Agosto (Portugal), Leonera (Argentina)


Palpites Oscar 2009 - Fotografia e Montagem

O Oscar das duas categorias técnicas mais "nobres" do cinema também parece já ter dono: "Slumdog Millionaire" ganhou recentemente os prêmios dos Sindicatos dos fotógrafos e dos montadores, numa clara demonstração que há uma vontade geral da indústria em homenagear o filme de Boyle de todas as formas possíveis. Nem "O Retorno do Rei" ganhou tantos.


Por isso, nem vou perder muito tempo com essas aqui. Indicados na ordem que acho ser do melhor para o pior.



Melhor Fotografia

1. A Troca
2. O Curioso Caso de Benjamin Button
3. O Cavaleiro das Trevas
4. Slumdog Millionaire
5. O Leitor


Uma coisa é certa: este é o ano em que a fotografia de um filme digital finalmente ganhará o Oscar. Porque se a Academia já estiver de saco cheio de premiar "Slumdog Millionaire" em tudo que puder, a outra única opção viável é Benjamin Button, também em digital. Não se pode negar que a carreira de Anthony Dod Mantle, fotógrafo do filme de Boyle, é bem mais impressionante que a de Claudio Miranda, fotógrafo de Fincher: Mantle é o responsável pela fotografia dos digitais "Manderlay", "Dogville", "Extermínio" e "Festa de Família", todos trabalhos bem impressionantes. Ganhar por copiar Cesar Charlone em "Cidade de Deus" não seria a melhor das homenagens, mas paciência.


Claro que meu favorito é o classicismo de "A Troca", mas pena mesmo é ver que Roger Deakins perderá pela sétima vez e continuará sem vencer o Oscar: acho o trabalho em "O Leitor" apenas burocrático, não chegando nem perto do que ele fez ano passado quando foi duplamente indicado por "Onde os Fracos Não Tem Vez" e Jesse James. Já a fotografia do filme do Nolan me parece condinzente com suas intenções que nada me interessam.


Quem vai ganhar: Slumdog Millionaire
Pode dar: O Curioso Caso de Benjamin Button
Faltaram: Che - O Argentino, Che: Guerrilha, Vicky Cristina Barcelona




Melhor Montagem

1. O Cavaleiro das Trevas
2. Milk
3. O Curioso Caso de Benjamin Button
4. Slumdog Millionaire
5. Frost/Nixon


A categoria técnica que é mais associada aos principais filmes do ano. E quando um dos indicados a Melhor Filme não ganha, normalmente é entregue a grandes filmes de ação. Este ano, apenas "O Leitor" ficou de fora, dando lugar para "O Cavaleiro das Trevas", que realmente é o trabalho mais impressionante da lista, com seu ritmo vertiginoso nas grandes sequências de adrenalina do ano. Peca pelo excesso, mas tudo bem. Seria o favorito caso a paixão por Slumdog não fosse tamanha.


Interessante é notar que os 5 indicados a Melhor Filme usam de um mesmo recurso narrativo: todos tem suas tramas principais narradas em flashback, ou por protagonistas (Button, Slumdog, Milk), por outros personagens (Frost/Nixon) ou como memória evocada (O Leitor). Acho que acaba resultando em montagens ruins (Slumdog, Frost/Nixon), desnecessárias (O Leitor, Milk) ou simplesmente frustrantes (Button).


De qualquer forma, o filme de Van Sant é mais interessante por fazer uma curiosa mistura entre material ficional e real, além de uma fluidez narrativa que parece ir no ritmo do protagonista e da trilha sonora, leve, solta, gostosa mesmo de acompanhar. A montagem de Button também é muito boa, porque clássica, os planos são longos, não há os cortes rápidos que se esperaria do diretor de "Clube da Luta" e suas quase três horas nunca soam cansativas.


Mas a montagem "eletrizante" de Slumdog, acompanhada daquela trilha sonora onipresente certamente já conquistou o coração de todos.


Vai ganhar: Slumdog Millionaire
Pode dar: O Cavaleiro das Trevas
Faltaram: A Troca, The Wrestler, Speed Racer

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Palpites Oscar 2009 - Direção de Arte e Figurino

Duas categorias que tradicionalmente trazem surpresas, nem sempre muito fáceis de se prever.


Indicados listados na ordem do que mais gosto para o que menos gosto.



Melhor Direção de Arte

1. A Troca
2. O Curioso Caso de Benjamin Button
3. Foi Apenas um Sonho
4. O Cavaleiro das Trevas
5. A Duquesa


Neste fim de semana, o Art Directors Guild anunciou seus vencedores. O sindicato premia os melhores trabalhos em direção de arte no cinema, dividindo-os em três categorias: Filmes de Época, Contemporâneos e de Fantasia. Respectivamente, os vencedores foram "O Curioso Caso de Benjamin Button", "Slumdog Millionaire" e "O Cavaleiro das Trevas". Como o filme de Boyle ficou de fora da disputa no Oscar, aparentemente a briga seria entre Benjamin Button e Batman.


Mas muitos andam apostando em "A Duquesa" para este e o prêmio de Figurinos. Não vi o filme, mas seria uma vitória no melhor estilo "O Outro Lado da Nobreza", que em 96 ganhou estes dois prêmios, mesmo sendo pouco apreciado ou visto. São filmes de época, em que as roupas e os cenários chamam mais atenção do que o filme em si. O problema é que "A Duquesa" sequer foi indicado pelo Sindicato e nos 12 anos de existência dessa premiação, o vencedor do Oscar nunca deixou de ao menos ser lembrado pelos seus pares.


O mesmo vale para "Foi Apenas um Sonho", que tem menos chances ainda. Além de não ter sido indicado pelo Sindicato, retrata um período (os anos 50) que não costuma vencer nessa categoria. Ninguém deve discordar que é um bom trabalho (não é a ambientação que se critica no filme de Mendes), mas em tempos de "Mad Men", acho que não impressiona ninguém.


O único que eu não gosto mesmo é "O Cavaleiro das Trevas". A culpa nem é dos responsáveis, mas a própria proposta "séria" de Nolan para o filme. Só lembrarmos da inventiva Gotham City do Batman de Tim Burton (que venceu esse Oscar, aliás, há quase 20 anos), tão mais interessante que esta nova, apenas uma grande cidade como outra qualquer.


Meu predileto está em "A Troca" e a ambientação da Los Angeles dos anos 20. Não só por conta do tal realismo, mas é um filme que semanas depois de visto, você se recorda perfeitamente daquela casa da protagonista (antes do desaparecimento do filho), daquele ambiente de trabalho dela, daquele hospício, daquele espaço onde se executa o enforcamento. Acredito seriamente que o filme tem chances nesta categoria, não só pelo trabalho espetacular, mas é o mais próximo que os membros da Academia podem fazer para honrar as duas novas pérolas de Clint Eastwood.


Só não aposto em "A Troca", porque o filme de Fincher tem nesta categoria suas maiores chances, melhores até que em Maquiagem e Efeitos Visuais. É um filme que chama atenção demais para os ambientes e objetos ao redor. Sem dúvida, junto com a maquiagem, o aspecto mais "apelão" do filme.



Quem vai ganhar: O Curioso Caso de Benjamin Button
Pode dar: A Troca
Faltaram: Milk, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal




Melhor Figurino

1. Milk
2. Foi Apenas um Sonho
3. O Curioso Caso de Benjamin Button
4. A Duquesa
5. Australia


Não vi os dois últimos. Mas enquanto "Australia" praticamente está fora de qualquer disputa, "A Duquesa" tem maiores chances aqui. Quem viu, entende que está nos figurinos a maior qualidade do filme (e para muitos, talvez a única). E nos dois últimos anos, a Academia, para a surpresa de praticamente todo mundo, premiou filmes que nem foram sucesso de crítica, nem de bilheteria ("Elizabeth 2" e o super subestimado "Maria Antonieta"). Ou seja, imagine-se que qualquer coisa pode acontecer aqui.


Benjamin Button tem a grande vantagem de ser a única categoria em que não compete com Slumdog, Batman ou "Wall-E". Daí que muitos votantes podem tentar compensar aqui.


"Foi Apenas um Sonho" tem no figurino algumas sutilezas interessantes, como o desconforto que os protagonistas parecem sentir nas roupas que vestem, expressão um tanto óbvia do seu deslocamento do mundo em que vivem. Mas não creio que seja o suficiente para uma premiação que, como já disse, não deve dar destaque ao que "Mad Men" já faz tão bem na televisão.


"Milk" é o meu predileto, talvez por fazer parte de todo um conjunto técnico que te transporta tão bem para aquela deliciosa, libertária (e libertina) época dos anos 70. Mas parece que a indicação por si só é uma vitória, já que a Academia não costuma honrar trabalhos deste período histórico. No entanto, pode dar zebra, sim, no melhor estilo "Priscilla - A Rainha do Deserto", (que muito justamente ganhou em 95 para o choque geral) já que com oito indicações, a Academia mostrou que gosta mesmo do filme.



Vai ganhar: O Curioso Caso de Benjamin Button
Pode dar: A Duquesa
Faltaram: A Troca, Sex and the City - O Filme (o filme é a desgraça do ano, mas a figurinista Patricia Field merecia um reconhecimento pelo trabalho que vem se estendo desde a série)

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Palpites Oscar 2009 - Maquiagem e Efeitos Visuais

Duas categorias com menos indicados, e que aparentemente tem um mesmo favorito em comum.


Indicados listados em ordem de preferência (do melhor para o pior):



Melhor Maquiagem

1. Hellboy 2: O Exército Dourado
2. O Curioso Caso de Benjamin Button
3. O Cavaleiro das Trevas


Três belos trabalhos, mas Benjamin Button deve ser o favorito. Em um mundo que se exige mais realismo dos filmes do que criatividade e formas diversas de representação, o filme de Fincher certamente não seria um sucesso se o trabalho de maquiagem não fosse impecável. Eu não gosto do uso em abundância (não vejo muito propósito em Tilda Swinton aparecer no filme já idosa, a não ser pelo prazer de envelhecê-la) e acho que o fato de ser muito difícil diferenciar o que é maquiagem e o que é efeito especial pode custar alguns votos dos acadêmicos.


"Hellboy 2" teria muito mais chances caso "O Labirinto do Fauno" não tivesse ganhado com proposta semelhante. De qualquer forma, a ilimitada imaginação de Guillermo Del Toro para monstros mais uma vez teve um trabalho à altura e não seria totalmente surpreendente uma vitória aqui.


Não acho que "O Cavaleiro das Trevas" mereça este. O Duas-Caras não me impressiona, embora o Coringa seja realmente maravilhoso e pode acabar conquistando muitos votos. Acho uma disputa difícil, mas apenas um desses filmes grita "MAQUIAGEM!" com tanta veemência.



Vai ganhar: O Curioso Caso de Benjamin Button
Pode dar: Hellboy 2: O Exército Dourado
Faltaram: Trovão Tropical e o dude playing a dude, disguised as another dude




Melhores Efeitos Visuais

1. O Curioso Caso de Benjamin Button
2. Homem de Ferro
3. O Cavaleiro das Trevas


Eu não dou a mínima para os efeitos bombásticos de blockbusters. Parece mais uma obrigação que eles sejam maravilhosos e este ano poucos me parecem que foram usados com mais criatividade ou graça (as maravilhosas criaturas de "Hellboy 2" e a baleia de "Hancock" me vêm à mente). Por isso prefiro aqueles que são usados com mais sutileza ou a serviço da narrativa. David Fincher e sua equipe já haviam feito mágica maravilhosa em "Zodíaco", que sequer foi indicado e era muito mais interessante que os indicados do ano passado.


Mas agora em Benjamin Button, a coisa é mais visível. E indicados a Melhor Filme sempre se dão bem nessa categoria: "Forrest Gump", "Babe", "Gladiador", a trilogia do "Senhor dos Anéis". Claro que "O Cavaleiro das Trevas" tem aquele voto do "não indicamos para melhor filme então vamos compensá-lo em todas as categorias técnicas", mas se fosse pra haver surpresa (e eu acho que Benjamin Button não ganhar será uma surpresa), que fosse para "Homem de Ferro", o surpreendente blockbuster simpático que levaria alguma coisa, caso wall-e e Batman não tivessem existido.



Vai ganhar: O Curioso Caso de Benjamin Button
Pode dar: O Cavaleiro das Trevas
Faltaram: Hellboy 2, Hancock

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Palpites Oscar 2009 - Trilha Sonora e Canção

Duas categorias em que parece não haver disputa, pelo favoritismo claro de um dos concorrentes.


Os candidatos estão listados na ordem de minha preferência (do melhor para o pior):


Melhor Trilha Sonora

1. O Curioso Caso de Benjamin Button
2. Wall-E
3. Milk - A Voz da Igualdade
4. Slumdog Millionaire
5. Defiance


O único que não vi foi "Defiance". Poderia ter baixado a trilha para escutá-la, mas acho que a música de um filme deve ser julgada pelo seu uso na obra. E como também não pretendo ver o filme de Zwick, acho que nunca vou poder comentá-la.


As trilhas de "Milk" e "Benjamin Button" tem em comum a discrição dos trabalhos de Danny Elfman e Alexandre Desplat que não chamam a atenção para si, mas conseguem traduzir as intenções de cada filme e aumentar o efeito desejado em cada sequência. Elfman, por exemplo, faz algo um tanto diferente do seus trabalhos com Tim Burton, uma melodia suave e aparentemente simples, que parece evocar um pouco da luta (e do humor) de Harvey Milk, mas sem muito estardalhaço. Já a de Desplat, além de um certo classicismo (encontrado na própria direção de Fincher), discretamente cria um clímax perfeito para sequências como a do atropelamento ou do balé no amanhecer do dia. Por tanta sutileza, dificilmente os membros da Academia irão votar nelas.


Já "Slumdog Millionaire" tem em sua trilha a tradução perfeita para a energia que os fãs enxergam no filme de Boyle. Alguns trechos da música de A.R. Rahman poderia muito bem embalar o final de noite de algumas boates e, por isso mesmo, um trabalho tão evidente só pode chamar a atenção de todo mundo e ser o favorito da noite.


Mas se os membros da Academia quiserem surpreender nesta categoria, talvez seja a hora de premiar Thomas Newman, já nove vezes indicado e nenhuma vitória. É verdade que muita gente acha que sua trilha para "Wall-E" não seja um de seus trabalhos mais memoráveis e que os melhores momentos musicais do filme seriam com a música de "Hello, Dolly!", mas por mim o filme já venceria aqui, apenas por aquele momento mágico em que Wall-E e Eva dançam no espaço.


Vai ganhar: Slumdog Millionaire
Pode dar: Wall-E
Faltaram: A Troca, A Troca, A Troca...



Melhor Canção

1. Down to Earth, de Wall-E
2. Jai-Ho, de Slumdog Millionaire
3. O Saya, de Slumdog Millionaire


Não morro de amores por nenhuma das músicas indicadas, embora elas também não me desagradem. Mas para colocá-las numa ordem de preferência, pensei: quando ouço "Down to Earth", wall-e me vem a cabeça; quando ouço "Jai-Ho" (claramente melhor que "O Saya"), Dev Patel me vem a cabeça. Então a escolha é óbvia.


Nos últimos dois anos, o filme que teve múltiplas indicações na categoria acabaram perdendo. "Dreamgirls" e "Encantada" tiveram, cada um, três canções concorrendo. Talvez os votos se dividiram e por este motivo, "Slumdog Millionaire" poderia acabar perdendo para "Wall-E". Mas acho difícil. Primeiro, porque estranhamente a Academia resolveu encurtar a categoria com apenas três indicados (deixando de fora Eastwood e Bruuuuce). Segundo, "Jai-Ho" encerra o filme de Boyle com aquela cute-cute sequência musical que certamente empurrou os membros da Academia para fora do cinema com a música grudada na cabeça. Ou seja, não há o que discutir.


Vai ganhar: Jai-Ho (Slumdog Millionaire)
Pode dar: Down to Earth (Wall-E)
Faltaram: Gran Torino (Gran Torino), The Wrestler (The Wrestler), Dracula´s Lament (Ressaca de Amor)

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Palpites Oscar 2009 - Edição de Som e Mixagem de Som

Se consultarmos a lista de indicados ao Oscar deste ano no IMDB, veremos que há as categorias de Melhor Som e Melhor Edição de Som. Já o site oficial da Academia diz que a categoria de Melhor Som na verdade chama-se Mixagem de Som. O erro do maior banco de dados de cinema da internet não é por acaso: já houve uma categoria Melhor Som, como também já houve Melhores Efeitos Sonoros. E eu quase nunca consigo entender as diferenças.


Basicamente, Sound Editing se refere a criação e a edição dos sons que vão estar no filme, enquanto Sound Mixing refere-se a mixagem destes, o balanceamento, o uso deles em cena, etc. Mas acho que a coisa é mais complexa. E acho que nem os próprios membros da Academia conseguem fazer distinção mais apurada. Com exceção, claro, dos próprios técnicos.


As duas categorias tem candidatos em comum, com exceção de "O Curioso Caso de Benjamin Button" em Mixagem de Som que dá lugar para "Homem de Ferro" em Edição de Som. E aí tentem se colocar no lugar dos designers de som de Benjamin Button, únicos técnicos do filme que não receberam indicação, e imaginem como os coitados estão se sentindo...


Abaixo, meus palpites, listando os indicados na ordem que considero do melhor para o pior.



Melhor Mixagem de Som

1. Wall-E
2. O Cavaleiro das Trevas
3. Slumdog Millionaire
4. O Curioso Caso de Benjamin Button
5. O Procurado


"O Procurado" é o único que não posso opinar: saí do cinema com menos de metade do filme, por estar detestando, mas também porque a sala de cinema daqui destrói qualquer qualidade sonora que um filme pode ter. De qualquer forma, é o menos cotado de uma lista que inclui dois indicados a Melhor Filme e dois dos filmes mais elogiados do ano.


Essa categoria tende a premiar filmes de ação muito admirados ("King Kong", "O Ultimato Bourne") ou grandes concorrentes ao Oscar, especialmente aqueles carregados de música ("Dreamgirls", "Ray", "Chicago"). Daí que o páreo parece ser duro entre "O Cavaleiro das Trevas" e "Slumdog Millionaire". Este último tem no som uma de suas maiores qualidades e que certamente os membros da Academia não irão esquecer: perseguição, número musical, tiros e o barulho das favelas de Mumbai. Mas talvez este seja um mérito da edição de som... ou não?


O filme de Nolan tem as grandes sequências de ação do ano, mais uma tensa construção dramática envolvendo praticamente todas as cenas do Coringa. Sem falar que sua ausência nas categorias principais pode acabar impulsionando alguns membros para votar no filme nas categorias técnicas.


Acho que Benjamin Button e "Wall-E" não possuem muitas chances. O primeiro seria um forte concorrente se fosse o favorito a Melhor Filme (um épico no melhor estilo "O Paciente Inglês" e "O Último Imperador"), já o segundo, pra mim, tem o melhor uso de sons entre os concorrentes, especialmente porque é central para a narrativa. No entanto, animações nunca venceram esta categoria. Em um ano tão forte como este, não seria agora.


Vai ganhar: O Cavaleiro das Trevas
Pode dar: Slumdog Millionaire
Faltaram: Speed Racer, Hancock





Melhor Edição de Som

1. Wall-E
2. O Cavaleiro das Trevas
3. Homem de Ferro
4. Slumdog Millionaire
5. O Procurado


A categoria já teve outros nomes: Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Edição de Efeitos Sonoros. Ou seja, é associada a filmes que capricham em coisas que fazem os sons mais estranhos e diferentes possíveis. Daí que normalmente é um prêmio dado a filmes de muito barulho ou que tem no som um diferencial inusitado.


Nesse sentido, "O Cavaleiro das Trevas" é um grande favorito, além de ser o típico blockbuster adorado fora das principais categorias mas vencedor do máximo de prêmios técnicos possíveis (pensem em "O Ultimato Bourne", "Matrix", "Velocidade Máxima"). "Homem de Ferro" talvez preenchesse esses requisitos se o filme de Nolan não tivesse um "nível artístico" mais elevado (e todos os sons das máquinas no filme de Jon Favreau são ótimos).


Mas a Pixar já faturou um desses com "Os Incríveis" e "Wall-E" é tão adorado quanto o filme de Batman. E não é possível que uma obra tão dependente de sons saia da premiação sem um Oscar na área. E quem pode resistir em premiar o próprio wall-e (o designer de som Ben Burtt faz a voz do robô)?


"Slumdog Millionaire" só concorre porque todos os membros da Academia sentiram a necessidade de indicá-lo em todas as categorias possíveis e só ganhará caso essa necessidade se estenda a vontade de premiá-lo em tudo. Já "O Procurado", tem as mesmas chances da categoria anterior.


Vai ganhar: Wall-E
Pode dar: O Cavaleiro das Trevas
Faltaram: Speed Racer, Hancock


terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Previsões Oscar 2009 - Primeiros Comentários

Eu ia deixar para a véspera da entrega do Oscar meus palpites e breves comentários sobre quem vai ganhar este ano. Mas como ainda faltam 12 dias e eu não estou com o mínimo de vontade de escrever sobre os filmes e séries que estou vendo, vou preencher esse blog com posts reunindo comentários sobre duas ou três categorias por vez. Espero manter o ritmo até a entrega dos prêmios.


A cerimônia do Oscar marca minha vida desde que resolvi que cinema era minha paixão, no final de 94. Ou seja, acompanho a festa desde a (terrível, pra mim) vitória de "Forrest Gump," e de lá pra cá é um prazer enorme acompanhar desde os burburinhos iniciais sobre possíveis candidatos ao prêmio, passando pelas primeiras premiações da crítica americana, os Globos, os Sindicatos, até chegar nos bolões que faço com amigos, além, claro, da tal "principal noite do cinema".


Claro que com o passar dos anos acabei entendendo que o Oscar não é um prêmio para os melhores do cinema, que raramente os membros da Academia conseguem fazer uma boa seleção de indicados do cinema americano, quanto mais reconhecer o que de melhor se faz no cinema mundial - e a grande tragédia disso é ver cinéfilos por toda a internet (no orkut, nos blogs, nos fóruns) elegendo como seus melhores filmes vistos, em sua maioria, apenas filmes de língua inglesa ou, quando de outras línguas, exatamente aqueles que de alguma forma foram "revelados" pelo Oscar. Tudo bem que o cinema americano domina nossos cinemas. Mas os DVD´s e, principalmente, a internet estão aí para democratizar o acesso ao cinema mundial.


Seja como for, adoro a brincadeira "vamos adivinhar os vencedores do Oscar!", e entendo que não passa disso - uma grande brincadeira. Do contrário, eu já teria desistido da Academia depois de ve-los premiando "Gladiador", "Uma Mente Brilhante" e "Crash".


E desistiria também depois deste ano. Porque, a não ser que algo MUITO estranho aconteça, o grande vencedor de 2009 será "Slumdog Millionaire" (não vou usar o título em português, meu pequeno gesto de protesto), um filme que acho medíocre e que, ao contrário do que aconteceu com as três mediocridades citadas acima, eu não entendo e nunca vou entender a paixão que despertou em tanta gente.


Se os principais prêmios da noite (Filme, Diretor e Roteiro) já tem dono, a diversão é tentar imaginar até que ponto irá a paixão dos acadêmicos pelo filme de Danny Boyle: com 10 indicações, apenas uma derrota é certa - com duas canções indicadas, obviamente que uma perderá para a outra. Ou admitem logo o circo criado e considerem um empate técnico para a categoria e fechem a palhaçada com chave de ouro.


Na outra ponta da disputa, o outrora favorito "O Curioso Caso de Benjamin Button". As más línguas acreditam que o filme de David Fincher pode se tornar o maior perdedor da história, ao não converter em prêmio nenhuma de suas 13 indicações. Esse recorde de zero vitórias é sustentado até hoje por "A Cor Púrpura" (11 indicações em 1986), seguido de perto por "Gangues de Nova York" (10 indicações em 2003). Não sou tão pessimista assim, mas o fato é que Benjamin Button, no mínimo, corre o risco de ocupar o lugar de "A Sociedade do Anel" como o filme com 13 indicações que menos ganhou na história - quatro, no total, para o filme de Peter Jackson, em 2002.


Se descobrir o quanto o filme de Boyle fará sucesso e o quanto o filme de Fincher afundará, não for suficiente para manter uma noite de prêmios (e realmente não é), as categorias de atuação tem seu próprio suspense: dois duelos interessantes em Melhor Ator e Melhor Atriz, uma disputa em aberto na Melhor Atriz Coadjuvante e o momento de grande emoção que será o prêmio dado a Heath Ledger e quem subirá ao palco para receber o careca por ele. A não ser que outra coisa MUITO estranha aconteça.


Enfim, que comecem as previsões. Amanhã tentarei postar sobre as categorias Melhor Som e Melhor Mixagem de Som.




segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Blog Maneiro

Não costumo passar adiante correntes ou desafios que de vez em quando a gente vê circulando pelos blogs, por mais legais que sejam. Coisa minha.



Mas não tinha como não postar este aqui. Primeiro, pelo reconhecimento da lembrança de quem cita o blog da gente como um "blog maneiro". Segundo, porque é uma forma legal de lembrar e recomendar blogs que costumamos visitar, podendo assim aumentar a rede de amizades, afinidades, etc., de quem se interessar por nossas dicas.











Então... O Rafael (Moviola Digital), o Wallace (Crônicas Cinéfilas) e a Kamila (Cinéfila por Natureza) indicaram o Cinefilia.com para o selo acima. A recomendação veio com algumas regras, que são as seguintes:





1. Exiba a imagem do selo “Olha que Maneiro!” que você acabou de ganhar.

2. Poste o link do blog que te indicou.

3. Indique 10 blogs de sua preferência.

4. Avise seus indicados (não esquecer).

5. Publique todas essas regras.

6. Confira se os blogs indicados repassaram o selo e as regras.

7. Envie sua foto ou de um amigo para olhaquemaneiro@gmail.com junto com o link dos 10 blogs indicados para verificação. Caso os blogs tenham passado o selo e assas regras corretamente, dentro de alguns dias você receberá uma caricatura em P&B.



Como tenho visto a corrente circular por blogueiros cinéfilos, vou me permitir estender a dica para outros tipos de blogs pessoais, além, claro, dos blogs legais sobre cinema que visito quase diariamente:


Michele (Bonsai Reflexivo)
Aline (My Glory Box)
Eric Fuzii (.incolor)
Felipe Rezende (Kill me Now)
Claesen (Digestão)
Nespoli (O Cara da Locadora)
Denis Torres (Cinemaníaco)
Marcelle (Cinéfila.com)
Pseudo-Autor (Claquete)



Aproveitando o post, recentemente atualizei a lista de blogs aí ao lado. Nem sempre (ou nunca!) deixo comentários em alguns. Novamente, coisa minha. Mas quase que diariamente entro em todos. Ou na falta de tempo, os menos atualizados ficam pro dia seguinte. Fica o pedido de desculpas. E o agradecimento a quem vem aqui de vez em quando.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Fincher e Minnelli?

Pelo blog do crítico Luiz Carlos Merten, descubro que David Fincher deu uma entrevista na França onde ele diz que fez "O Curioso Caso de Benjamin Button" para satisfazer seu sonho de realizar um melodrama como os de Vincente Minnelli.


Eis um dos grandes problemas de grande parte da crítica cinematográfica hoje: a visão superficial das coisas impede ir muito longe na história do cinema, buscar referências que não sejam dos anos 90 pra cá. Esquece que o cinema já tem mais de um século, e que grandes diretores de hoje (Fincher, Shyamalan, James Gray, Almodovar) estão sempre buscando nos diretores de ontem suas bases fílmicas.


Mas tome-lhe comparação com o tosco Forrest Gump...

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Séries de TV

Janeiro foi o mês de estréia das novas temporadas de algumas das séries que eu mais esperava ver. Abaixo, breves comentários do retorno delas, na ordem das maiores expectativas para as menores:



1. Battlestar Galactica - A segunda parte da quarta e última temporada de uma das melhores séries da atualidade. Pouca coisa hoje discute com tanta propriedade sobre política, religião, sociedade, e que traz tantos personagens com conflitos tão interessantes. O primeiro episódio do ano, "Sometimes a Great Notion", foi um desses momentos especiais que só essa maravilhosa série pode dar: carregado de pessimismo e desesperança, o ponto alto é um surpreendente suicídio. A morte nunca foi tão bela, triste, misteriosa, impactante. O que veio depois não foi menos incrível. Os roteiristas trataram logo de nos revelar um dos grandes mistérios da série (quem era o último Cylon misterioso?) e preparou o terreno para uma tensa e sensacional rebelião, que certamente deixou todo fã com o coração na mão. Infelizmente, tudo acaba em apenas mais sete episódios. E se continuar assim, sem dúvida será algo histórico.



2. Lost - A quinta temporada da mais cultuada série da década volta com necessárias mudanças na estrutura narrativa, mas resolve investir naquele que é um dos elementos mais difíceis e complicados para qualquer roteirista: viagens no tempo. Curiosamente, as coisas continuam nos eixos após três episódios. Mas nem por isso tão interessantes. Diretores e roteiristas têm apostado muitas vezes em um suspense um tanto ridículo para situações que na verdade não geram suspense nenhum (o season premiere, aliás, praticamente tem isso do início ao fim, com os mais diversos personagens filmados nas sombras, de costas, em detalhes, para serem revelados no "momento apropriado", mas em nenhum deles causa o efeito esperado). Ainda assim, o que tem salvado este início de temporada é esta insuperável capacidade que a série tem de revelar mistérios e gerar outros tantos como se fosse a coisa mais natural do mundo. O terceiro episódio, "Jughead", por exemplo, traz uma dessas revelações que você imediatamente diz "Hein?!" e fica com vontade de aplaudir pela forma como nos é revelado. E, claro, há as atuações de parte do elenco (eu detesto o físico). Ben, Locke e Sawyer são, de longe, os pontos altos.



3. 24 Horas - Dois anos sem Jack Bauer parecia ser tempo suficiente para os roteiristas repensarem "24 Horas" e não cometerem os mesmos erros que fizeram da sexta temporada o pior momento da série. Infelizmente, parece que não foi o suficiente: repisando nos mesmos elementos de sempre (os mesmos dilemas presidenciais, as incríveis infiltrações nas organizações), diálogos pavorosos, a série se tornou um pastiche de si mesma. O início foi promissor, em especial pelo retorno de Tony Almeida (amplamente divulgado há meses) e algumas boas idéias sobre tortura e o desmantelamento da CTU. Mas depois veio mais do mesmo. De qualquer forma, em respeito às brilhantes temporadas anteriores, o jeito é acompanhar e torcer pela melhoria.



4. Damages - Ainda sem ter visto o quarto episódio desta segunda temporada, "Damages" está o verdadeiro samba do crioulo doido: um episódio com flash-foward (repetindo a fórmula de sucesso da temporada anterior), outro com inúteis e irritantes flashes de episódios anteriores, e um terceiro episódio com flashbacks de 10 anos antes, igualmente inúteis. Para piorar, subtramas demais, personagens demais. Não duvido que os roteiristas sabem muito bem o que querem e que no fim teremos uma trama redonda e amarrada. Mas por enquanto a série está valendo apenas por William Hurt, com uma atuação cheia de sutilezas, que nos deixa sem saber quais as intenções de seu personagem.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Filmes vistos em Janeiro

Um filme por dia... nos primeiros 5 dias do ano. Infelizmente, a média caiu bastante: apenas 14 filmes ao fim do mês. Culpa das séries de TV que consumiram uma boa parte do meu tempo de lazer (37 episódios vistos de várias séries), do Playstation 2 que meu cunhado deixou comigo por uns dias, de uma viagem a Salvador onde o descanso foi prioridade, e de três livros que estão pela metade (ou menos que isso) e só deus sabe quando vou terminá-los. Pra piorar, só vi filmes novos, com uma penca de filmes de Godard, Resnais e Cassavetes me esperando.


Vamos ver se Fevereiro será diferente (difícil, com o semestre da Faculdade começando com tudo a partir de amanhã). Mas chega de vida pessoal. Os filmes vistos em Janeiro foram, mais ou menos em ordem de preferência:



A obra-prima
1. A Troca, de Clint Eastwood (2008)



Os grandes
2. A Mulher Sem Cabeça, de Lucrécia Martel (2008)
3. Simplesmente Feliz, de Mike Leigh (2008)
4. MR 73, de Olivier Marchan (2008)
5. Milk - A Voz da Igualdade, de Gus Van Sant (2008)



Os legais
6. JCVD, de Mabrouk El Mechri (2008)
7. O Curioso Caso de Benjamin Button, de David Fincher (2008)
8. Il y a Longtemps Que Je T´aime, de Phillippe Claudel (2008)
9. Shortbus, de John Cameron Mitchell (2006)
10. Dúvida, de John Patrick Shanley (2008)



Os medíocres
11. Foi Apenas um Sonho, de Sam Mendes (2008)
12. Rio Congelado, de Courtney Hunt (2008)
13. Quem Quer Ser um Milionário?, de Danny Boyle (2008)
14. Crepúsculo, de Catherine Hardwick (2008)