domingo, 5 de fevereiro de 2012

Melhores e Piores de 2011 (lançados no Brasil)

Resolvi fazer várias listas para resumir o ano de 2011. Neste post, tudo que diz respeito aos filmes comercialmente lançados no Brasil, seja em cinema ou diretamente em DVD/Blu-Ray. Isso significa colocar no balaio filmes que vi há mais de 2 anos (caso dos excelentes "Singularidades de uma Rapariga Loura" e "Faça-me Feliz") ou realizados até há mais tempo - o interessante "Esquizofrenia" finalmente foi lançado em DVD e é de 2004!

Começando pelos piores do ano.

Preferi uma seleção diferente do que se vê por aí e fiz três "top 5" de naturezas diferentes:


OS PIORES: os que realmente considero verdadeiras lástimas. Mas não chuto cachorro morto. Enquanto obras como "As Viagens de Gulliver", "Transformers 3", "Lanterna Verde" ou "Amanhecer" são presenças constantes neste tipo de lista, meus piores podem até mesmo constarem na lista de melhores de alguém. Não importa se um deles venceu prêmios importantes e que tem qualidades visíveis, mas sim a relação que estabeleci enquanto o via, a irritação, impaciência, o martírio que foi chegar até o fim. Não duvido que o mesmo poderia ter acontecido com os filmes que citei aí em cima, mas não os vi. Tempo é uma coisa importante e acho que é preciso ter PRÉ-conceitos, até porque é impossível ver tudo. Na lista dos filmes que não vi e nem quero ver inclui também obras elogiadas como "Lixo Extraordinário", "Biutiful", "Incêndios", "Em um Mundo Melhor" e "Ganhar ou Ganhar". Poderia gostar de algum desses? Sim, mas prefiro não arriscar por uma série de (pré?)concepções que tenho e passar meu tempo cinéfilo tentando dar conta de tantos outros milhares de filmes que me interessam muito mais.

Sendo assim, eis o famigerado top 5:

1. Sem Limites, de Neil Burger
2. Capitães de Areia, de Cecília Amado
3. O Discurso do Rei, de Tom Hooper
4. Meu País, de André Ristum
5. Os Monstros, de Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti


Ainda cabe uma menção honrosa aos três filmes do ano que desisti de ver antes mesmo de chegar na metade. Isso talvez significasse que seriam os três piores do ano, mas foi apenas um momento de sensatez em perceber que não valia a pena chegar até o fim, momento este que eu poderia ter usado, por exemplo, nos cinco casos acima.

Dizem que a grande crítica americana Pauline Kael teria abandonado uma sessão para a crítica do filme "O Resgate do Titanic", com 15 minutos de projeção. Sua justificativa aos produtores: "Life's too short". Foi pensando na Kael que me livrei dos seguintes filmes:


1. O Retrato de Dorian Gray, de Oliver Parker
2. Balada de Amor e Ódio, de Álex de la Iglesia
3. Trabalho Sujo, de Christine Jeffs



OS SUPERESTIMADOS: queria um termo melhor que este (aceito sugestões), pois dá a ideia de se referir a filmes que me incomodaram por terem recebido mais atenção do que acho que mereciam. E tem menos a ver com que outros acham e mais com o fato de realmente considerá-los ruins, independente de recepção, e que poderiam estar num top 10 ou próximo disto. Por outro lado, se existe um top 5 só para eles, significa que levo em conta o entusiasmo alheio. Aliás, é inevitável uma irritação maior quando as pessoas elogiam algo que você vê claramente que não presta, não é?

Estes seriam:

1. Melancolia, de Lars Von Trier
2. Cisne Negro, de Darren Aronofsky
3. Homens e Deuses, de Xavier Beauvois
4. Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2, de David Yates
5. O Céu Sobre os Ombros, de Sérgio Borges



AS DECEPÇÕES: aqui entram filmes que nem considero ruins (alguns são, sim), mas que por serem de cineastas que admiro, merecem destaque pelo tanto que me decepcionaram.


1. O Garoto da Bicicleta, de Jean-Pierre e Luc Dardenne
2. Caminho da Liberdade, de Peter Weir
3. Aterrorizada, de John Carpenter
4. Bravura Indômita, de Joel e Ethan Coen
5. Meia-Noite em Paris, de Woody Allen



OS MELHORES: Resolvi selecionar 50 filmes para esta lista. Não significa, claro, que consegui encontrar 50 grandes filmes lançados no Brasil. Infelizmente, está longe deste número. A bem da verdade, neste top 50 apenas os 9 (nove) primeiros me parecem bastante especiais, que achei superiores. Do 10º ao 20º lugar, filmes que achei bem bons, sólidos, divertidos ou emocionantes, mas que faltaram algo que os elevassem a um patamar maior (em alguns casos, até pela própria limitação do gênero). Do 21º ao 24º lugar, casos curiosos de obras que mesclam seus grandes momentos com outros que me incomodaram. Quando são bons, são melhores que maior parte dos filmes do top 20, mas ficaram abaixo pela irregularidade. Do 25º em diante, todos bons filmes com um aspecto ou outro que me agradaram o suficiente para lembrar deles. As posições em que se encontram são uma tentativa meio arbitrária de hierarquia, podendo ser diferentes caso eu refizesse em outro momento.


Sem nome dos realizadores, para não atrasar:


1. Além da Vida
2. Cópia Fiel
3. Trabalhar Cansa
4. A Pele Que Habito
5. Um Lugar Qualquer
6. Singularidades de uma Rapariga Loura
7. Faça-Me Feliz
8. Super 8
9. As Praias de Agnès
10. Isto Não É um Filme
11. O Vencedor
12. Tudo Pelo Poder
13. Incontrolável
14. Inquietos
15. Como Você Sabe
16. X-Men: Primeira Classe
17. Planeta dos Macacos: A Origem
18. Missão Madrinha de Casamento
19. Passe Livre
20. As Canções
21. Tio Boonmee Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas
22. A Árvore da Vida
23. A Caverna dos Sonhos Esquecidos
24. Vênus Negra
25. Ataque ao Prédio
26. Ricky
27. Potiche - Esposa Troféu
28. Belair
29. Missão: Impossível - Protocolo Fantasma
30. Margin Call - O Dia Antes do Fim
31. Um Sonho de Amor
32. Os Agentes do Destino
33. Poesia
34. Turnê
35. Velozes e Furiosos 5
36. Esquizofrenia
37. Estamos Juntos
38. Avenida Brasilia Formosa
39. Bahêa Minha Vida
40. Desconhecido
41. Restrepo
42. Uma Noite Mais Que Louca
43. Deixe-me Entrar
44. Bróder
45. A Última Estrada da Praia
46. 30 Minutos ou Menos
47. Pânico 4
48. Contágio
49. Em Busca de um Assassino
50. Toda Forma de Amor


Nenhum comentário: